IBN Coaching

divertida mente

7 lições sobre emoções do filme Divertida Mente

O filme Divertida Mente retrata sobre cinco emoções dentro do ser humano. Com ele, podemos compreender de que forma a raiva, alegria, medo, tristeza e o nojo agem no nosso comportamento.

Hoje estreamos uma série de conteúdos chamada de Cine Herói. Iremos escrever e dar dicas de filmes que irão, além de entreter, ensinar sobre assuntos que se referem ao desenvolvimento de pessoas.

O filme que escolhemos para abordar é uma das animações da Pixar de 2015, chamado Divertida Mente. 

Sobre o filme

A narrativa decorre através da história da Riley. Uma personagem que acompanhamos o desenvolvimento do nascimento, a fase de criança à adolescência.

Riley é uma garota de 11 anos que frequenta a escola, mora com seus pais, possui amigos. No entanto, surge uma mudança em sua vida.

Devido ao trabalho do pai, a família precisa mudar de cidade e, consequentemente, de escola, afastamento de amigos e troca de escola.

Tudo isso pode parecer ser simples, mas não para Riley e suas emoções.

As emoções no filme

O filme Divertida Mente representa a relação de cérebro e mente de uma forma lúdica e compreensível.

Nele, as cinco principais emoções que Divertida Mente relata são raiva, medo, alegria, tristeza e o nojo. Todas elas ficam numa sala de controle que num primeiro momento começa de um modo bem simples.

Ao abrir os olhos, ainda quando bebê, a sala de controle tem apenas um botão. Ao longo do crescimento, o local fica mais complexo, mais opções de botões, criações e armazenamento de memórias, entre outros.

Todos juntos auxiliam a controlar os estados de espírito de Riley através da sala de controle. Muitas vezes, gerando, até mesmo, conflito para quem está no comando naquele momento.

Portanto, desde o nascimento, é possível observarmos como as emoções agem em nossos aprendizados, tomar decisões importantes e, até mesmo, determinar nossos gostos.

O que aprendi sobre emoções assistindo Divertida Mente

Durante diversos estágios da vida, acompanhamos o cérebro e mente da Riley interligados. Acompanhando as oposições e convergências das emoções, que a auxiliam a tomar decisões importantes.

Podemos notar que as decisões tomadas em determinados momentos, irão dar o tom emocional básico para o restante da vida. Assim como, muitas de nossas memórias são fixadas através das emoções. 

É possível compreender os papéis fundamentais de todas as emoções para nossa vida.

1) É preciso perceber as emoções

Ninguém consegue compreender, controlar e muito menos gerenciar aquilo que não se identifica.

E é muito onde as pessoas tropeçam. Embora simples, quanto mais sutil é a emoção, mais difícil é de percebê-la. 

Entretanto, o que mais importa é que elas sempre estarão presentes e exercendo influências sobre nós.

Podemos comparar as emoções com uma bola de neve. Quando começam são pequenas, quase imperceptíveis, mas conforme “descem morro abaixo”, crescem até tomar proporções incontroláveis. 

Afinal, foi isso que fez com que a Riley se desligasse e terminasse com alguns dos “mundos basilares” que havia dentro dela, como a família, paixão pelo esporte, etc.

2) Se sentir triste é importante

No filme, a emoção tristeza é pouco compreendida e quase sempre deixada de lado. Tudo isso, porque as demais emoções não entendem sua importância.

Ocorre que muitas pessoas pensam que por não estar alegre, possuem menos valor. O que não é uma verdade. 

A verdade é que a tristeza assim com as outras emoções é fundamental.

Se formos analisar, talvez no momento que Riley se emociona na escola ao se apresentar, se ela tivesse a chance de vivenciar a tristeza naquele momento (a alegria tira a tristeza do centro de controle), a jornada teria sido diferente.

Por isso, se sentir triste, deixar a tristeza vir quando for preciso é sim capaz de trazer benefícios. 

Afinal, ela nos auxilia na introspecção e nos faz refletirmos sobre nossas próprias vivências ao fazer a limpeza das mágoas e aliviar tensões. Além de, se colocar no lugar do outro, ter compaixão e humildade

3) Medo é sinônimo de proteção

No filme, a emoção alegria sente medo de se sentir triste. O que é muito curioso. Mas, a verdade é que o medo é uma emoção que possui como intenção positiva a proteção.

Pensando em uma situação mais extrema, quando éramos primitivos, onde naquela época avistasse de longe um animal perigoso. O medo seria o primeiro indicativo para você não se aproximar e manter-se em segurança.

Evidentemente, que no tempo atual, o medo existe em nós. Entretanto, não nessa perspectiva que exemplificamos.

O nosso medo nos comunica inconscientemente que devemos estar em alerta e, até mesmo, recuar em determinada situação.  Com isso, nos protegendo de possíveis riscos.

Mas, na sua perspectiva negativa pode gerar insegurança e inércia. 

4) A alegria é essencial 

O filme deixa claro que somos pessoas cíclicas. Passamos por diversas emoções no mesmo dia e está tudo bem. 

Dessa forma, a alegria pode ir e voltar.

A emoção alegria é muito potencializadora. Acaba, por nos deixar capazes de vivenciar o prazer, entusiasmo, excitação e motivação.

Mas, não somente sobre nós mesmos, a alegria transforma. Pois, contagia as demais pessoas e ambientes.

Contudo, em excesso pode gerar vícios e processos depressivos.

5) A raiva possui potencial positivo

A grande maioria de nós pensa que a raiva é somente algo negativo. Que não há vantagens em sentir raiva.

Mas, em realidade, é uma emoção de impulsionamento. Um exemplo, é quando sentimos a injustiça, ela é um sentimento que deriva da raiva.

Sendo uma das energias mais poderosas que existem.  

Entretanto, muitas vezes é utilizada contra outros ou contra si próprio. Seu aspecto negativo se reflete na impulsividade.

6) O nojo funciona como prevenção

O filme apresenta a personagem Nojinho e sua função, explicando que ela impede que a Riley se intoxique física e socialmente. 

Aqui no IBN, entendemos o nojo como uma sensação, podendo vir da combinação do medo e da tristeza.

Inconscientemente te protege daquilo que pode vir a te fazer mal, como uma preventiva.

7) Das emoções surgem as sub-emoções

Você deve estar pensando nesse momento: “eu sinto mais emoções do que somente essas!”

Na verdade, realmente emoções são apenas essas. O que surgem delas são as sub-emoções e sensações…

Observe a tabela abaixo, nele podemos observar que muitas dessas “sub-emoções” derivam das emoções principais que estão no painel de controle da Riley.

Considerações

Uma das principais lições do filme é a possibilidade de compreender que, absolutamente, todas as emoções são importantes. Até mesmo, as que categorizamos como “ruins”, possuem o lado positivo.

A raiva pode nos impulsionar, demonstrar força contra injustiças. A alegria, capacidade para bons relacionamentos (inclusive com nós mesmos). O medo ajuda a nos manter em segurança. O nojo também auxilia na nossa proteção (como de comer algo estragado, por exemplo).

Assista o filme e nos conte aqui algumas das descobertas que você fez sobre as emoções.