IBN Coaching

Filme Divertidamente - Silhueta da Riley com as personagens que representam suas emoções em sua cabeça

Cine Herói: A maior lição do filme Divertidamente sobre crenças e memórias

O filme Divertidamente da Disney traz de forma muito suave e inteligente o conceito por trás da formação das nossas crenças através das nossas memórias.

Já falamos sobre ele em outro post aqui do blog relacionado às emoções, mas agora queremos explorar um pouco mais o conceito da formação de crenças.

Antes de falar do filme, é importante entender que as crenças são formadas a partir do que nós vemos, ouvimos e sentimos. Nosso cérebro dá um significado para cada situação, quando a situação se repete reforçamos este significado e assim vamos formando e fortalecendo nossas crenças.

Agora, para ligarmos isso ao filme Divertidamente, seguimos no artigo do Cine Herói desta semana.

As Emoções de Riley

O filme apresenta o dilema que Riley precisa enfrentar no momento em que seus pais decidem se mudar de forma repentina. Com efeito, ela começa a perceber que as coisas que a faziam entender a realidade de determinada forma não estão mais lá, ou seja, o ambiente mudou. Por consequência, as amigas da escola não estão mais perto, os pais estão brigando e ela fica sem espaço para ser ela mesma.

Nesse cenário, Riley busca desesperadamente através da emoção da alegria se manter bem, visto que, o filme deixa claro que a Riley tem dificuldade em acessar a tristeza. Ela não consegue compreender a tristeza que está vivendo, pois busca evitar ao máximo esse sentimento. Como resultado, em determinado momento ela acaba usando a raiva no negativo e sendo impulsiva ao tomar decisões precipitadas como a de fugir de casa. Riley está num estresse tão grande e sem saber o que fazer, pois sente como se tivesse perdido a própria personalidade.

Da Alegria à Tristeza

O filme mostra a alegria como sendo a principal emoção da Riley. A Alegria (personagem que representa a emoção que dá nome a ela) faz com que Riley consiga manter um equilíbrio emocional e, ao mesmo tempo, busca mostrar que ela é uma criança que está sempre feliz. Porém, é interessante perceber que o filme termina com ela aceitando a própria tristeza, e assim acessando o positivo da tristeza que é a humildade.

Neste momento, ela entende que as coisas nem sempre serão do jeito dela. Logo depois, Riley chora e coloca para fora as coisas que estavam doendo, tirando das costas o peso daquilo que ela estava sentindo e que, de certa forma, a estava machucando. Então, a partir deste momento, ela cria novas memórias sobre a personalidade dela.

A metáfora por trás do filme Divertidamente

Através da metáfora das emoções, o filme mostra como o nosso cérebro cria memórias e como ele classifica essas memórias (normais e nucleares). A animação mostra que cada memória é feita a partir do uso de uma das emoções (Medo, Tristeza, Raiva, Alegria e Nojinho). Porém, ao final do filme é apresentado um novo formato de criar memórias, que é mesclando emoções.

Nós criamos memórias a partir daquilo que sentimos, pois quando sentimos significa que aquilo teve algum valor e merece ser lembrado. As memórias nucleares são usadas para formar as nossas personalidades e, no caso da Riley, ela cria várias ilhas a partir dessas memórias, como a Ilha da Família e a da Bobeira.

Podemos associar essas memórias principais da Riley a grandes impactos emocionais que ela teve na vida. Por exemplo, como ao jogar hóquei com os pais e fazer um gol, onde ela sentiu uma alegria imensa e passou a acreditar que é uma ótima jogadora. Dessa forma, Riley criou um traço da personalidade dela, através de uma memória. Essa mesma memória é reforçada diversas vezes quando ela joga de novo, de novo e de novo. De tal forma que agora isso se torna uma crença na vida dela.

Os padrões do filme Divertidamente se mostram muito voltados para como o cérebro humano funciona. O nosso cérebro só considera de verdade o que de fato é importante para nós. O que não é importante ele manda para o subconsciente e depois para o inconsciente, aonde pouco a pouco as memórias vão sendo esquecidas.

As memórias menos importantes vão perdendo cor e se tornando preta e branca, enquanto as memórias nucleares se mantêm vivas e com a cor vibrante, indiferente do tempo que se tenha passado. Essas memórias têm interação direta com o nosso eu de hoje, pois ele é formado das percepções que tivemos ao longo da nossa trajetória.

A lição do filme Divertidamente sobre crenças e memórias

A lição mais importante que o filme Divertidamente nos traz é a importância de aceitar e acolher as nossas emoções. A Riley só conseguiu se resolver quando ela aceitou a tristeza e conseguiu acessá-la no positivo (humildade).

Entender que quem nós somos está diretamente ligado às memórias, que estas estão ligadas às emoções e que, por fim, formam as nossas crenças sobre nós e sobre o mundo, é vital para encontrarmos as soluções para o que estamos vivenciando.

Em suma, quando não nos permitimos viver e sentir fortes emoções, ou quando buscamos evitar uma emoção, acabamos por não desenvolver a nossa personalidade de forma adequada. E neste ponto a vida pode se tornar vazia.

É importante entender que todas as emoções mesmo a tristeza ou a raiva que tem uma conotação negativa, são extremamente importantes para a nossa vida e para o nosso desenvolvimento quando as utilizamos da forma correta.

E sim, para isso, na vida real, existem formas muito mais eficientes e eficazes de encontrar o equilíbrio, do que uma jornada cheia de perigos dentro da sua cabeça de forma tão literal quanto no filme!

Quer entender mais das suas emoções, crenças e memórias? Acompanhe os nossos treinamentos.

Quando você entende melhor a si mesmo, tudo fica muito mais simples e fácil de ser compreendido. A Riley teve a sua jornada, que tal você também começar a sua?

Clique aqui e venha conversar conosco e descubra qual a Jornada do Herói que faz mais sentido para você!